quinta-feira, 21 de maio de 2015

Lançamento do livro "INTEGRAÇÃO, DE CAPA AO OMBRO" de Vanilce do Carmo Fonseca Veiga Tavares | 22 de Maio | 21h45

No âmbito do 6º Encontro Anual promovido pela Associação Maiense em Portugal, será realizado o lançamento do livro "INTEGRAÇÃO, DE CAPA AO OMBRO" da autoria da estudante e activista maiense Vanilce do Carmo Fonseca Veiga Tavares, no dia 22 de Maio, pelas 21h45 na Biblioteca Municipal. A apresentação estará a cargo do Presidente da Assoçiação Maiense em Portugal, Senhor Carlos Manuel Spencer Frederico.



Mais de uma centena de estudantes da Ilha do Maio que fazem a sua formação em Portugal reúnem-se, de 22 a 24 de maio, na cidade de S. João da Madeira para o seu 6.º encontro anual. Um evento que se realiza a convite do presidente do Município sanjoanense, que assim pretende reforçar a geminação estabelecida com aquela localidade de Cabo Verde em maio de 1999.

Organizado pela Associação Maense em Portugal e contando com a presença de Presidente da Camara Municipal do Maio, Manuel Ribeiro, este encontro é apresentado como “um espaço privilegiado de debate, reflexão e crítica sobre os aspetos importantes referentes à ilha do Maio”.
Essa vertente estará particularmente vincada na conferência a realizar, a 23 de Maio, nos Paços da Cultura de S. João da Madeira. O tema será “O Percurso da Ilha do Maio no Contexto dos 40 anos da Independência de Cabo Verde: Contributos e Desafios”.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA "365 DIAS E UM OLHAR" DE MÁRIO HELDER CASTRO

Na passada sexta-feira, decorreu a inauguração da Exposição de Fotografia "365 dias e um olhar" de Mário Hélder Castro, na qual marcaram presença muitos admiradores e amigos.

Mário Helder Castro é autodidata em fotografia, desde cedo começou a revelar, em casa, negativos e provas em papel e preto e branco.

Mais tarde aperfeiçoou a técnica através de várias montagens com ampliador fotográfico.

Agora, na era digital, para além de captar imagens com equipamentos SLR, todos os dias usa o seu smartphone e "olhar atento" para registar o mundo ao seu redor.

Mário Helder Castro e Castro frequentou o curso de Sistemas Multimédia e é fundador da MHCDESIGN arte gráfica, sediada no Business Centre da Oliva Factory, em S. João da Madeira. 

Esta mostra estará patente na Sala Polivalente da Biblioteca Municipal, entre 15 de Maio e 15 de Junho, de segunda a sexta feira, das 10h00 às 18h30 e aos sábados das 10h00 às 13h00.

Venha olhar 365 fotografias! Visita a não perder.
 



sexta-feira, 15 de maio de 2015

B. B. KING (1925-2015)





A Biblioteca disponibiliza todos os CD's de B. B. King que possui e que se encontram já em destaque na vitrine da Sala de Adultos.
Venha desfrutar da sua maravilhosa música e saber mais sobre a vida do mestre da guitarra!

Morreu B.B. King, o guitarrista e cantor que se tornou uma lenda do blues. O músico tinha 89 anos e morreu em Las Vegas, nos EUA, na noite de quinta-feira. Deixa para trás uma vida de melodias inconfundíveis, mais de dez mil actuações ao vivo, 15 Grammy e Lucille , o nome que dava a todas as suas guitarras Gibson.
A notícia foi confirmada por uma das filhas, Claudette King, e pelo advogado do músico. 
No início de Maio, o mítico guitarrista fora hospitalizado, tendo tido alta e sido entregue a cuidados domiciliários depois de um outro internamento no início de Abril devido a problemas de desidratação associados à diabetes tipo II de que sofre desde a década de 1980.
As reacções de pesar já se avolumam nas redes sociais e, no meio musical, vêm de todos os quadrantes. De Ringo Starr a Snoop Dogg, de Bryan Adams ao vocalista dos Kiss Gene Simmons, os elogios a "um dos melhores guitarristas de blues de sempre, talvez o melhor" (Adams) e à "inspiração para milhões" (Gladys Knight) continuam a surgir. "BB, qualquer pessoa podia tocar mil notas e nunca dizer o que dizias com uma", escreveu Lenny Kravitz no Twitter. 
“B.B. toca em algo universal”, disse Eric Clapton, um dos músicos que reconheceu sempre a influência do mestre na sua própria forma de tocar, ao Los Angeles Times em 2005. “Não pode ser confinado a um único género. É por isso que lhe chamo um ‘músico global’.”
Riley Ben King – mais conhecido como B.B. King, sendo as primeiras iniciais relativas a Blues Boy, parte do seu nome de DJ em Memphis –, natural do estado do Mississippi, é considerado um dos maiores guitarristas de todos os tempos. Cresceu numa plantação naquele estado do Sul dos EUA e começou a tocar em bares apenas para negros e em salões de baile na década de 1940, quando a sua mãe já tinha morrido e o pai saído de cena, deixando para trás os anos a trabalhar como ajudante na apanha do algodão. Nascido em 1925 e com memórias da Grande Depressão, os seus primeiros contactos com a música estão intimamente ligados ao gospel.
Mais tarde, ouviria uma guitarra noutro registo que não o do gospel e dos espirituais negros, descobrindo os blues e a sua electricidade. Trabalharia então como DJ numa rádio de Memphis e foi sobretudo um autodidacta, apesar de ter aprendido muito com o seu primo Bukka White, um lendário bluesman. Inspirações: os blues de T-Bone Walker e Louis Jordan, o som das big bands por Count Basie, mas também Django Reinhardt, Blind Lemon Jefferson ou o jazz eléctrico de Charlie Christian. Esses sons e as tradições do delta do Mississippi, o gospel e outras sonoridades que floresciam na fértil região musical informariam grande parte da sua música e carreira.
"Ser um cantor de blues é como ser negro duas vezes. Quando o movimento dos direitos civis estava a lutar pelo respeito pelos negros, senti que estava a lutar pelo respeito pelos blues", escreveu King na sua autobiografia, citada pela agência Reuters, Blues All Around Me. Na noite do assassinato de Martin Luther King, em Abril de 1968, deu um concerto improvisado com outra futura lenda do blues e seu discípulo Buddy Guy e com o também mítico Jimi Hendrix. 
Parte da listagem dos mais importantes músicos dos EUA e do mundo desde 1987, quando foi integrado no Rock and Roll Hall of Fame, soma mais de 30 nomeações para os Grammy e é autor de canções como Three o'clock blues - depois de ter sido descoberto por Ike Turner, este é o seu primeiro êxito, datado de 1951-, The thrill is gone ou When love comes to town (com os U2). A revista Rolling Stone colocou-o em terceiro lugar no top dos melhores guitarristas de todos os tempos, sendo suplantado por Jimi Hendrix e Duane Allman.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

CONVITE: Inauguração da Exposição de Fotografia “365 dias e um OLHAR” de Mário Helder Castro |15 maio, 18h00


Biblioteca Municipal de São João da Madeira e o Autor têm a honra de convidar V. Exa., para a Inauguração da Exposição Fotográfica e Cronológica do ano de 2014, intitulada “365 dias e um OLHAR”, a inaugurar no próximo dia 15 de Maio de 2015, pelas 18 horas.

A Exposição estará patente de 15 de maio a 15 de junho e poderá ser visitada no seguinte horário:
Segunda a sexta-feira, das 10h00 às 18h30.
Sábados, das 10h00 às 13h00.
 
Biblioteca Municipal de São João da Madeira
Rua Alão de Morais, 36
3700-021 São João da Madeira
.............................................................................................................................................


Com este álbum “365 dias e um OLHAR”, da autoria de Mário Hélder Castro Augusto e Castro [fundador da MHCDESIGN - arte gráfica], o autor pretende mostrar o que "", "regista" e "pensa" o seu "olhar" através da fotografia digital, apenas com um smartphone e alguma pós-edição.

CENTRO DE LEITURA ESPECIAL - Ação Formativa para Profissionais do Ensino Básico e Secundário

No passado dia 9 de maio, teve lugar nas instalações do nosso Centro de Leitura Especial, uma ação formativa para professores do ensino regular, que acompanham alunos com deficiência visual nos estabelecimentos de ensino onde exercem a atividade lectiva. 
Abordando especialmente a utilização do leitor de ecrã JAWS, com descrição dos comandos de leitura de texto e navegação na internet, esta atividade, na qual estiveram presentes docentes nomeadamente de Gaia e Castelo Branco, teve como principal objetivo que os profissionais de ensino que nela participaram, possam prestar melhor apoio aos seus alunos cegos e com baixa visão.