quinta-feira, 17 de setembro de 2020

LAWRENCE E GERALD DURRELL

A propósito da série britânica "Os Durrell",  inspirada nas obras autobiográficas de Gerald Durrel, nas quais é relatada a vida da sua família, que entre 1935 e 1939 foi viver para a ilha grega de Corfu, sugerimos a sua leitura.

Trata-se de uma comédia dramática onde deambulam todas as personagens da sua excêntrica família, incluindo o seu irmão mais velho Lawrence Durrell, que mais tarde vem a ser reconhecido como um grande romancista, poeta e dramaturgo, não tendo obtido o Prémio Nobel porque as suas obras foram consideradas muito eróticas.

A biblioteca Municipal já tem em destaque as obras dos dois irmãos disponíveis para leitura.

Filme ou livro? E porque não os dois?

Parta à aventura e divirta-se neste encontro da cultura inglesa com a cultura grega.

Boas Leituras! 




 


terça-feira, 15 de setembro de 2020

"MADRE PAULA" DE DE PATRÍCIA MÜLLER

 


A propósito da série da RTP e agora também disponível na HBO Portugal, baseada no romance histórico "Madre Paula", de Patrícia Müller, no qual é relatada a vida de uma mulher de Deus que se torna amante do rei, um amor proibido entre D. João V e a freira do mosteiro de Odivelas.

Lisboa, início do século XVIII da Graça de El Rei D. João V. Paula, a filha pobre de um ourives, deixa a azáfama das ruas de Lisboa para ingressar no Mosteiro de São Dinis, em Odivelas. Não é Deus quem a chama, mas sim a necessidade de um pai que já não a pode sustentar. Quis o destino, porém, que aquela rapariga de pé descalço se viesse a tornar na mais conhecida freira da nossa história. E numa das mulheres mais poderosas de um reino que vivia no extravagante esplendor pago com os escravos de África, com o ouro do Brasil…

Madre Paula é a história desse amor proibido, entre o Rei-Sol português, D. João V, e a famigerada freira de Odivelas. Um amor intenso, maior que tudo, que levou o rei a ignorar o bom senso e a tomar a freira como amante, confidente e conselheira.
D. João V sempre teve uma predileção por mulheres bonitas, mas Paula foi o seu grande amor. Permaneceram juntos, secretamente, mais de uma década, e chegaram a ter um filho. A história entre um dos homens mais poderosos do mundo e a plebeia que a Deus traiu inscreve-se na categoria de mito, mas é bem real, nas páginas do romance de estreia de Patrícia Müller. Juntos enfrentaram intrigas palacianas, a ameaça do castigo divino, o ciúme e os jogos de poder. E a quase tudo resistiram - pois durante uma década, para D. João V, Madre Paula foi a sua única e verdadeira rainha.

O livro ou o filme? Porque não os dois?

Parta à aventura desta história apaixonante que nos transporta às realidades do século 18.

Esta obra está à sua espera para leitura na Biblioteca Municipal.

Boas leituras!

 

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

DOIDA NÃO E NÃO! DE MANUELA GONZAGA


A propósito do filme “Ordem Moral”, de Mário Barroso, estreado na passada quinta-feira, que nos conta a fuga de Maria Adelaide Coelho da Cunha, (interpretada por Maria de Medeiros), com o seu chauffer e que abalou a sociedade lisboeta na passagem dos anos 10/20 do século passado, remete-nos para a leitura do livro que lhe deu origem.

“Maria Adelaide Coelho da Cunha: doida não e não! de Manuela Gonzaga conta-nos a uma história verídica da mulher que enfrentou Egas Moniz, Júlio de Matos e os sábios da época. Filha e herdeira do fundador do Diário de Notícias. Mulher do administrador do mesmo jornal, o escritor Alfredo da Cunha. Presa num manicómio por um «crime de amor». Os factos relevantes têm início em Novembro de 1918: era uma vez uma senhora muito rica que fugiu de casa, trocando o marido, escritor e poeta, por um amante. Tinha quarenta e oito anos, pertencia à melhor sociedade portuguesa. O homem por quem esta senhora se apaixonou, tinha praticamente metade da sua idade e fora seu motorista particular. Era herdeira do Diário de Notícias e a sua história chocou a sociedade da época.

O livro ou o filme? Porque não os dois?

Parta à aventura desta história apaixonante, cheia de mistérios, que nos transporta ao início do século 20 e ao tema da emancipação feminina.

 Já se encontra disponível para leitura na Biblioteca Municipal.

Boas leituras!