sexta-feira, 29 de junho de 2018

CLUBE DE LEITURA - JUNHO


Teve ontem lugar, na Biblioteca Municipal, a sessão mensal do “Clube de Leitura” com a análise e discussão da obra "Só resta o amor" do espanhol Agustín Fernández Paz.

O autor é natural de Vilalba, Lugo, Galiza, nasceu em 1947 e tem já uma vasta obra largamente premiada.

Trata-se de 11 contos de escrita acessível, sem grande riqueza estilística, agradáveis de ler, com belas descrições da floresta, dos cheiros, com alguns momentos líricos e excertos de literatura espanhola e universal, ou seja, um livro com outros livros dentro.

O autor acredita na força das palavras para a mudança e que os livros são “imprescindíveis para nos ajudar a sonhar e a viver”.

A temática é o amor, tal como o título sugere, mas, ao ler a primeira citação de Orhan Pamuk, antes do início do primeiro conto em que este diz, "quando me apercebo que vamos passar por este mundo sem deixar rasto depois de levarmos umas vidas estúpidas, compreendo com raiva que na vida só resta o amor" ou "Todas as recordações são sulcos de lágrimas" do cineasta Wong Kar Wai, percebemos que as histórias de amor são também de desamor, de encontros e desencontros e quase sempre com destinos de sofrimento.

Esta melancolia presente na obra, remete-nos a Camões e ao seu poema “amor que é fogo que arde sem se ver, ferida que dói e não se sente, é um contentamento descontente”.

Quase todos os contos são passados durante a ditadura de Franco e isso reflete-se nas histórias, nas quais é visível uma grande falta de liberdade, falta de informação através dos livros e do cinema, prevalecendo a repressão e os preconceitos, fatores que, consequentemente, condicionam a vida das pessoas.

Há uma riqueza temática com enormes variações nestes contos, uns são excêntricos, outros cruéis, esotéricos, de suspense e crime.
 
No conto "Estranha lucidez", o canídeo descreve  a sua nostalgia pós-mortem desta forma:  "Era o único momento do dia em que encontrava a cadela castanha que cheirava tão bem. Nalgumas manhãs, dependendo se nos soltavam ou não, podíamos cheirar-nos sem que ninguém nos interrompesse, e até dar algumas corridas pelo passeio. Mas eram momentos curtos, ou assim me pareciam, como se na vida os instantes felizes se apresentassem em doses mínimas que sabem sempre a pouco".

Por isso, é fundamental aproveitar os instantes felizes da vida e o prazer da leitura é um deles.

Boas Leituras!


 
 







Sem comentários:

Enviar um comentário